sexta-feira, 10 de julho de 2020

Pneumonia mais letal que o coronavírus, varre o Cazaquistão, alerta embaixada chinesa


CNN - Um surto de uma pneumonia de origem desconhecida já matou mais de 1772 pessoas e infectou quase 100 mil no Cazaquistão. Hoje o governo falou pela primeira vez sobre a nova doença, informando que oferece "potencial risco" e é mais letal que a covid-19.
Segundo o ministro da saúde do Cazaquistão, a pneumonia de origem desconhecida matou 628 pessoas apenas em junho. Ele prometeu divulgar mais detalhes "na próxima semana"

“A taxa de mortalidade desta doença é muito maior do que o novo coronavírus. Os departamentos de saúde do país estão realizando pesquisas comparativas, mas ainda não identificaram o vírus desta doença”, disse a embaixada em um aviso aos cidadãos chineses no país.

De acordo com informações publicadas pelo site South China Morning Post, não ficou claro por que a embaixada chinesa descreveu a doença como "desconhecida" ou que informações possuía sobre a pneumonia.

Ainda segundo a publicação, o site da embaixada, citando relatos da mídia local, disse que as províncias de Atyrau e Aktobe e a cidade de Shymkent relataram picos significativos em casos de pneumonia desde meados de junho.

A embaixada chinesa disse que até agora houve quase 500 casos de pneumonia nos três locais, com mais de 30 pessoas em estado crítico.

O Cazaquistão já registrou 1.772 mortes por pneumonia na primeira parte do ano, 628 das quais ocorreram em junho, incluindo alguns cidadãos chineses, segundo o comunicado.

"A embaixada chinesa no Cazaquistão lembra aqui os cidadãos chineses de estarem cientes da situação e intensificar a prevenção para reduzir os riscos de infecção", afirmou a embaixada.

Saule Kisikova, chefe do departamento de saúde da capital Nur-Sultan, disse à agência de notícias Kazinform que "cerca de 300 pessoas diagnosticadas com pneumonia estão sendo hospitalizadas todos os dias".

A agência também disse que houve 1.700 casos de pneumonia em todo o país em junho – mais de duas vezes o número no mesmo mês do ano passado.

No final de junho, autoridades alertaram sobre o aumento de casos de pneumonia. Á época, os médicos estavam diagnosticando 600 pessoas por dia com sintomas de pneumonia, em comparação com 80 por dia antes do início do surto de COVID-19, informou o site CNA de Cingapura.